domingo, 28 de maio de 2017

Niterói, RJ

A cada três horas uma mulher é estuprada no Brasil

Publicado em 08/03/2016 - 17:42

A woman demonstrates against "femicide" in front of the La Moneda presidential palace in Santiago on June 3, 2015. Chile, along with Uruguay, are joining Argentina, where huge numbers of protesters are expected to flood the streets of Buenos Aires and other cities across the country to protest recent killings related to domestic violence. Sixteen Latin American countries have written femicide into their penal codes, setting down harsher punishments for the killing of a woman by a man when gender plays a part in the crime.   AFP PHOTO /MARTIN BERNETTI

A woman demonstrates against “femicide” in front of the La Moneda presidential palace in Santiago on June 3, 2015. Chile, along with Uruguay, are joining Argentina, where huge numbers of protesters are expected to flood the streets of Buenos Aires and other cities across the country to protest recent killings related to domestic violence. Sixteen Latin American countries have written femicide into their penal codes, setting down harsher punishments for the killing of a woman by a man when gender plays a part in the crime. AFP PHOTO /MARTIN BERNETTI

A Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180) contabilizou no ano passado, em comparação a 2014, aumento de 44,74% no número total de relatos de violência e de 129% no número de relatos de violência sexual (estupro, assédio, exploração sexual), com a média de 9,53 registros por dia.

Do total de 3.478 relatos de violência sexual registrados em 2015, 2.731 eram de estupro (78,52%); 530 de exploração sexual (15,24%); e 217 de assédio sexual no trabalho (6,24%). A Central de Atendimento à Mulher também constatou que houve aumento de 325% nos relatos de cárcere privado, com a média de 11,8 registros por dia.

O balanço divulgado nesta terça-feira (8/03), Dia Internacional da Mulher, também contabilizou em 2015 aumento de 154% no número de estupros registrados, com a média de 7,5 casos por dia, e aumento de 102% no número de relatos de exploração sexual, com a média de 44 registros por mês. A cada três horas, um estupro é relatado ao Ligue 180, segundo a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

Atendimentos no Ligue 180

De acordo com a SPM, a Central de Atendimento à Mulher fez 749.024 atendimentos em 2015. Foram, em média, 62.418 por mês e 2.052 por dia. O número é 54,4% superior a 2014, com 485.105 atendimentos. Desde a sua criação, em 2005, a Central já registrou 4,8 milhões de atendimentos.

Do total de atendimentos de 2015, 10,23% (76.651) corresponderam a relatos de violência, dos quais 58,86% foram cometidos contra mulheres negras. Entre os relatos, 50,16% corresponderam à violência física; 30,33% à violência psicológica; 7,25% à violência moral; 2,10% à violência patrimonial; 4,54% à violência sexual; 5,17% a cárcere privado; e 0,46% ao tráfico de pessoas.

O Ligue 180 é um serviço gratuito e confidencial do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos. A Central recebe denúncias de violência, reclamações sobre os serviços da rede de atendimento à mulher e orienta as mulheres sobre seus direitos e a legislação vigente, encaminhando-as para outros serviços quando necessário.

Veja também

Deixe o seu comentário

PUBLICIDADE